Tipos mais comuns de câncer infantojuvenil

De acordo com as estatísticas apontadas pelo INCA (Instituto Nacional do Câncer), surgem por ano no Brasil 8.460 novos casos de câncer infantojuvenil e mais de 400 mil em todo o mundo. A doença é grave e, infelizmente ainda carrega o estigma pesado e fatalista que desperta medo, insegurança e apreensão ao se receber o diagnóstico. Mas, a boa notícia é que a ciência já deu largos passos nos estudos que se referem ao tratamento do câncer para todas as idades. Hoje 80% das crianças e adolescentes diagnosticados com a doença conseguem atingir a cura. O diagnóstico correto e o tratamento em centros especializados que contam com equipes multidisciplinares, foi o que contribuiu para que a doença atingisse uma alta porcentagem de cura.

Apesar do câncer infantojuvenil ser mais agressivo, o organismo jovem consegue reagir mais rapidamente aos tratamentos e essa é também uma vantagem diante da doença.  

Mesmo assim, saiba que quanto mais cedo for diagnosticada a doença, mais curto será o caminho para se livrar do câncer.

Acompanhe agora o que ocorre no organismo quando este é atingido pela doença.

O câncer infantojuvenil afeta as células do sistema sanguíneo e os tecidos de sustentação e se manifesta através da proliferação descontrolada de células anormais   em qualquer lugar do organismo. Se diferenciam das características do câncer em adultos por apresentarem tumores constituídos de células indiferenciadas. Eles possuem características bem mais complexas e podem avançar de forma rápida

Infográfico sobre mutação celular

Atenção aos sinais!

As crianças, mais que adolescentes, têm uma rotina mais frequente a médicos e isso certamente possibilita um diagnóstico precoce, caso aja alguma suspeita. Mas é muito importante que se alerte para alguns sintomas que podem ser confundidos com os de doenças comuns nessa faixa etária. A ideia é que os pais conheçam os sintomas e se tornem alerta aos sinais que devem ser investigados por médicos. São eles:

  • palidez, hematomas ou sangramentos, dor óssea
  • caroços ou inchaços, sem dor e febre ou outros sinais de infecção
  • perda de peso inexplicada, febre, tosse persistente, falta de ar, sudorese noturna
  • perda visual, estrabismo de início recente, pupila branca, hematomas ou inchaço ao redor dos olhos
  • inchaço abdominal
  • dores de cabeça incomum, persistente que ocasiona vômitos e se torna progressiva ao longo dos dias
  • apresentar inchaço sem ter ocorrido trauma ou sinais de infecção, dores nos membros ou óssea
  • sentir fadiga, letargia e apresentar mudança no comportamento em geral
  • perder o equilíbrio, a coordenação e sentir tontura.

Todos esses sintomas podem acontecer isoladamente ou em conjunto e, caso apareçam, o melhor a se fazer é buscar uma consulta médica e levar os relatos de sua observação.

Quais são os tipos de câncer infantojuvenil mais comuns no Brasil?

Os tumores mais frequentes na infância e na adolescência são:

  1. Leucemia – É uma doença maligna dos Glóbulos brancos e podem se apresentar de três formas diferente:  
  2. leucemia linfoblástica aguda.
  3. leucemia mieloide.
  4. leucemia linfocítica crônica.

O que acontece no organismo que desenvolveu a leucemia?

Os glóbulos brancos são produzidos na medula óssea e possuem a função de defesa do organismo. Quando essas células se tornam leucêmicas ocorre uma produção descontrolada desses glóbulos que deixam de cumprir a função de proteção por serem imaturas e tomam o lugar de células sanguíneas normais.

Sintomas: suscetibilidade à infecção, palidez, sangramento, dor óssea, aumento ganglionar generalizado.

  • Tumores do sistema nervoso central:

São tumores primários do cérebro onde há um crescimento desordenado de células cerebrais que formam massa dentro do crânio. 

Sintomas: dores de cabeça frequentes, diminuição da visão, visão dupla, estrabismo, vômitos em jato.

  • Linfomas – afeta sistema linfático, responsável por ajudar a filtrar e remover o excesso de líquidos e impurezas do organismo.

Esta doença está entre os cânceres mais comuns na infância e podem se apresentar em dois subtipos da doença:

             Linfoma de Hodgkin: mais comum em adolescentes do que em crianças, eles podem surgir em qualquer parte do corpo onde o tecido linfoide esteja distribuído. Se localizam com mais frequência no tórax, pescoço e axila. Ele tem alta probabilidade de cura.

            Linfoma não Hodgkin: este ainda pode ser divido em outros três subtipos:

             Linfoma linfoblástico: mais comuns em meninos do que em meninas. Pode crescer rapidamente e é responsável por 25% a 30% dos casos de Linfoma em crianças e adolescentes.

               Linfoma de Burkitt: mais frequente em meninos entre 5 e 10 anos de idade.

Linfoma de grandes células: possui dois subtipos: linfoma de grandes células anaplásicas e linfoma difuso. O primeiro pode atingir ossos, pulmões, sistema digestivo e pele.   

  O segundo, atinge a região torácica, mediastino, abdômen, pescoço e ossos.

Sintomas: gânglios aumentados na região do pescoço, virilha e axilas, febre e fadiga, aumento do baço, tosse, falta de ar, perda de peso aparente, suor noturno e coceiras na pele.

  • Neuroblastoma: Tumor de células do sistema nervoso periférico, frequentemente de localização abdominal.

Este tumor se forma na estrutura da crista neural que dá origem a muitas partes do sistema nervoso central, como dos nervos que dão origem a diversos órgãos.

Sintomas:  olhos saltados, massa dura e indolor no pescoço, massa palpável no abdômen, distúrbios metabólicos (desequilíbrio, movimentação rápida e descontrolada dos olhos), diarreia severa e pressão alta ocasionadas pelas substâncias produzidas pelo tumor.

  • Tumor de Wilms: Tipo de tumor renal. Está ligado a má formação do trato genito-urinário, a hemihipertrofia (um lado do corpo maior que o outro) ou mesmo a ausência da íris. A idade média que se forma esse tumor que atinge os rins é de 3 anos de idade.

Sintomas: presença de massa no flanco ou abdômen sendo de aspecto liso, firme e não dolorida, dor abdominal, vômitos e pressão alta.

  • Retinoblastoma: Afeta a retina e o fundo do olho, geralmente acomete crianças antes dos três anos de idade. Origina-se nas células imaturas da retina.

Sintomas: olhos saltados, fotofobia, estrabismo, pupila esbranquiçada.

  • Tumor germinativo:  Atingem células que originam os ovários e os testículos.
  • Osteossarcoma: Tumor ósseo – São conhecidos como tumores sólidos. Podem ser visíveis e se manifestam pela formação de massa.

Sintomas: dor nos membros

 9. Sarcomas – tumores de partes moles.  Tem origem nas células mesenquimais primitivas, um tipo de célula tronco. Pode surgir em qualquer parte do organismo. 60% dos casos ocorrem nos braços e pernas. Eles demoram a aparecer e por isso são difíceis de serem diagnosticados. Existe uma variação muito grande desse tumor com cerca de mais de 50 tipos.

Sintomas:  crescimento do nódulo em qualquer parte do corpo, dor abdominal que piora com o tempo, sangue nas fezes ou vômito, fezes escuras ou negras que sinaliza sangramento interno.

 www.accamargo.org.br/sobre-o-cancer/tipos-de-cancer Todos os casos de câncer infanto juvenil têm grandes chance de cura. Fique alerta aos sinais e compartilhe as informações.